10 de abr de 2009

Crescimento e desenvolvimento do CONCEPTO

Devido ao padrão endocrinológico semelhante durante o diestro na cadela gestante ou não-gestante, bem como a entrada no período de anestro, o não retorno ao cio não pode ser utilizado como indicativo da gestação nessa espécie. Além disso, diversos animais desenvolvem a síndrome de pseudogesração, cujo grau é extremamente variável entre indivíduos, podendo ocorrer desde uma simples mudança de comportamento até aumento significativo de peso, com lactação abundante.
As modificações físicas características da cadela gestante somente se tornam evidentes após a 5ª semana de gestação. Nessa fase, ocorre aumento significativo de peso e distensão abdominal correspondente ao número de feros. Em cadelas com grande número de fetos se desenvolvendo no útero, o aumento de volume abdominal é evidente após a 5ª semana de gestação. Entretanto, se somente um ou dois fetos estiverem presentes, ou a cadela for muito gorda, o aumento de volume abdominal pode ser evidente somente nos dias que antecedem o parto.
A palpação abdominal é um método bastante seguro que pode ser aplicado tanto na cadela, como na gata. Na gata, a gestação pode ser diagnosticada com acurácia a partir dos 16 dias após a cobertura. Já na cadela, o sucesso do diagnóstico depende de alguns fatores, tais como:
· Porte do animal - quanto menor, mais fácil o diagnóstico;
· Temperamento do animal - quanto mais agressivo, ou estressado, maior o grau de dificuldade do exame;
· Período de gestação;
· Número de fetos no útero;
· Condição corporal da mãe - o diagnóstico é mais difícil em animais obesos.
Ao redor dos 18 a 20 dias de gestação, a presença dos fetos r no útero leva ao aparecimento de distensões, com cerca de 12 mm de diâmetro, de formato arredondado e consistência firme. Cadelas pequenas e com pouca gordura podem e ser palpadas já nessa fase. No entanto, em cadelas maiores, com maior capa de gordura, é improvável que os embriões possam ser detectados através de palpação abdominal. O período considerado ótimo para o diagnóstico precoce da gestação em cadelas, através de palpação abdominal, é ao redor dos 24 a 30 dias de gestação. Nessa fase, as distensões esféricas do útero têm cerca de 3 cm de diâmetro, e o tônus uterino ainda é tenso, fazendo com que, à palpação, possa se sentir uma estrutura semelhante a um cordão de contas.
Embora o útero seja bastante evidente nessa fase, deve-se tomar cuidado para não confundi-lo com alças intestinais repletas de fezes. As vesículas embrionárias podem não ser todas de tamanhos semelhantes e, com freqüência, as localizadas nas pontas dos cornos apresentam menor diâmetro. As vesículas embrionárias se mantêm com formato esférico até os 33 dias de gestação, quando a região entre os embriões começa a se dilatar e as vesículas progressivamente adquirem um formato ovalado. Nesse período, a tensão uterina também está diminuída. O sucesso no diagnóstico da gestação em cadelas, através da palpação abdominal, é de 50% entre os 21 e 25 dias, passando para 85% entre os 26 e 35 dias de gestação. Desta forma, é extremamente importante para o sucesso do diagnóstico o conhecimento exato da data das coberturas.
A partir dos 40 dias de gestação, o útero começa a fazer contato com a parede abdominal e, em cadelas com múltiplos fetos, a distensão deste passa a ser notada. No entanto, a palpação dos fetos ainda não é possível, e, com a perda do tônus uterino, a identificação dos cornos uterinos pode ser difícil, principalmente em animais gestando número pequeno de fetos.
Após os 45 dias de gestação, o crescimento dos fetos é rápido, e é possível a detecção daqueles localizados na porção caudal dos cornos uterinos via palpação abdominal. Aos 45 dias de gestação, a vesícula embrionária de uma cadela com cerca de 10 kg tem 6 m de comprimento e 2 m de largura. Nessa fase, ocorre uma mudança no posicionamento do útero no interior da cavidade abdominal. Em animais com múltiplos fetos, cada corno se transforma em um cilindro com 4 a 5 m de diâmetro e 22 a 30 m de comprimento. Cada corno pode ser dividido em dois segmentos: o caudal, que repousa no assoalho abdominal; e o cranial, que se localiza dorso-lateralmente ao fígado, em direção à pelve. Após os 55 dias de gestação, o útero preenche quase totalmente a cavidade abdominal, e não existe dificuldade para detecção dos fetos.
Além da palpação abdominal, o exame radiográfico também é bastante utilizado no final do período gestacional em cadelas. Esse tipo de exame é particularmente útil no caso de cadelas obesas, gestando um número pequeno de fetos, sendo também muito utilizado em casos de partos prolongados, ou distocia, para avaliação da retenção de fetos no útero. Na maioria dos casos, uma única radiografia da cadela em decúbito lateral é suficiente para identificar o número de feros. Embora seja possível a identificação dos sacos fetais ao redor dos 25 dias de gestação, estes podem ser confundidos com conteúdo líquido no interior de alças intestinais. O diagnóstico radiográfico pode ser dado com certeza a partir dos 45 dias de gestação, quando partes do esqueleto feral se tornam evidentes. Ao final da 7ª semana de gestação, é possível a identificação de rodo o esqueleto feral.
Referência: PRESTES, Nereu Carlos; LANDIM-ALVARENGA, Fernanda da Cruz. Obstetrícia veterinária. Rio de Janeiro/RJ: Guanabara Koogan, 2006.

Um comentário:

  1. Quando na fêmea gestante começa a sair leite nas glândulas mamárias, faltam aproximadamente quantos dias para o nascimento do filhote?

    Obrigado, excelente blog!!!

    ResponderExcluir